terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Kali

E hoje venho contar prá vocês que a nossa querida Kali virou estrelinha.

A Kali (a escura, em sanscrito) era a nossa neguinha da sorte. Eu a adotei numa noite fria e chuvosa do inverno curitibano, depois de dois dias ouvindo ela gritar, mas não a encontrava.
Ela estava com as tetinhas cheias de leite e por mais que eu virasse o terreno eu não encontrei os filhotes. Como sempre faço quando adoto um gatinho, minha primeira providência, após a ração e a água é ir a veterinário. E lá soube que a melhor forma de acalma-la seria castra-la imediatamente para que os hormônios relativos à maternidade não atuassem mais.

Quando a levei de volta para casa ela era uma coisinha delicada, com a barriguinha cheia de pontinhos, tristinha.
Meu marido ao vê-la teve um tréco: "- Mais um gato!!! E esta aí ainda!! Ela é horrível, parece a gata monstruosa do desenho, um estrupício, tem parte com morcego!! Olha só estas orelhas!!!"
Claro que nem ouvi e fui cuidar da neguinha.
Dois ou três dias depois, meu marido estava deitado na cama e a neguinha subiu e começou a dar cabeçadinhas na axila dele, e tentava mamar! Foi muito engraçado, pois meu marido derreteu depois disso e a gata que era a "estrupício-gata-monstruosa-que-tem-parte-com-morcego" passou a ser a "Tutupício".

O Paulo (meu marido) desde então chegava em casa e ia primeiro conversar com a Kali, que o recebia com uns ruidinhos que ela reservava apenas para ele. Eles "conversavam" por uns bons dez minutos, que ele dizia que ela fofocava tudo que havia acontecido em casa em sua ausência. Só depois ele vinha me dar um beijo e conversar comigo.

Ela se foi durante nossa viagem de férias, estava sob os cuidados de uma petsitter super capaz, e realmente fez de tudo para salva-la, bem como todo o pessoal da clínica veterinária. Mas era a horinha dela.
Não sei como será voltar para casa sem a nossa neguinha linda, a nossa "Tutupício-gata-monstruosa-que-tem-parte-com-morceguinho"


4 comentários:

valente disse...

Essas coisinhas que vêm do nada, invadem nossa vida e preenchem um espaço que jamais pensamos ter em nossa alma... e qdo se vão, quanta dor! Nos sentimos vazios, impotentes, mas ao mesmo tempo felizes por termos tido a honra de conviver com esses pedacinhos de amor e satisfeitos por sabermos que tudo fizemos para merecer esse amor. Acredito que qdo partem vão para um lugar melhor. Isso conforta meu coração. Espero que a Kali esteja com todos aqueles que deixaram saudades, em muitos corações, como os nossos. Seja feliz Kali!
CLÁUDIA VALENTE

Repositório disse...

Sinto muito mesmo!!!!!

Blog da Rutha disse...

Sinto muito pela Kali, lendo a história dela deu pra perceber que ela teve muita sorte e viveu muito feliz nesta família tão fofa. Apesar de ser uma notícia muito triste você escreveu de forma muito delicada e encantadora, espero seguir seu exemplo quando for a hora de ver os meus velhinhos partindo.
Beijos
Laís

Tropinha Urban disse...

Claudinha, Repositorio e Lais

Agradeco muito o carinho e solidariedade que vcs deixaram aqui nestes dois momentos dificeis na partida de Ramses e Kali.
Quem ja passou por isso sabe a diferenca que faz quando lemos ou ouvimos palavras de apoio.
Obrirgada mesmo.
Beijos meus e ronrons da Tropinha.